SINPOL RIBEIRÃO PRETO

OAB declara apoio ao Sinpol

Presidente e Secretário Geral da OAB Ribeirão Preto reuniram-se com diretores do sindicato na nova sede social e manifestaram apoio e solidariedade aos policiais civis

Diretores da 12ª Subseção da OAB-SP (Ordem dos Advogados do Brasil-São Paulo) visitaram a nova sede social do Sinpol no bairro da Ribeirânia. O encontro ocorreu no dia 06 de julho e contou com a presença de Luiz Vicente Ribeiro Correa e do Secretário Geral da 12ª Subseção da OAB-SP, Alexandre Soares da Silveira. Também participaram cerca de 20 associados e o advogado que integra o departamento jurídico do Sinpol, Ricardo Ibelli.

Depois de percorrerem as novas instalações do sindicato, o grupo reuniu-se no auditório. Fizeram parte da mesa diretora os dois membros da 12ª Subseção da OAB-SP, Luiz Vicente e Alexandre, além de Eumauri, Célio Antônio Santiago e Carlos Alberto Campi, o primeiro presidente do Sinpol.

Eumauri agradeceu a presença do dr. Luiz Vicente. “Sempre foi um grande amigo dos policiais civis”, destacou. O presidente do Sinpol agradeceu ao dr. Ademar Birches Lopes, delegado de Polícia aposentado, que militou por muitos anos em Ribeirão Preto e teria passado a informação para Eumauri de que a Sinfônica, que havia recebido aquela área, iria desistir e o Sinpol poderia pleitear junto à prefeitura aquele terreno (leia matéria em nossa edição de agosto de 2021).

Eumauri destacou a atuação do delegado e ex-vereador dr. Samuel Zanferdini. E prosseguiu: “Fizemos tudo com muito esforço, mas também muita responsabilidade, para os policiais civis. Hoje atravessamos um momento muito difícil, com a absurda falta de recursos humanos. A administração está fechando os Distritos Policiais. Um absurdo. Nunca vi isso. Delegacia não se fecha. Se abrem novas. Vão juntar tudo para, segundo nossa chefia, melhor atender a população. Não consigo entender como uma pessoa que vai ter de sair de Bonfim Paulista e ir até a Avenida Independência para registrar um crime será beneficiada, se antes tinha uma delegacia na porta de sua casa. Pintaram uma placa do DEIC e criaram a especializada. Mas não veio um policial civil a mais sequer. Foi só a placa”, pontuou Eumauri.

Em seguida, o presidente do Sinpol pediu para o delegado aposentado, dr. Odacir Cesário da Silva, presente ao encontro, comentar sobre a falta de recursos humanos. E o delegado declarou: “Cheguei a ter sete delegados e mais de 60 policiais, entre investigadores e escrivães. Um trabalho que rendia, todos os dias. O índice de esclarecimento era perto de 100%. Hoje temos tecnologia, viaturas, mas não temos o ser humano. Voltamos aos patamares da Polícia Civil antes de 1970”, lamentou o dr. Odacir.

Ao usar a palavra, o presidente da 12ª Subseção da OAB-SP, dr. Luiz Vicente, fez questão de saudar todos os presentes. Lembrou que tem 39 anos de advocacia e sempre foi tratado com respeito pelos policiais civis, o que fez questão de retribuir, destacando os amigos que tem na Instituição.

Sobre a situação atual vivida pela Polícia Civil em Ribeirão Preto, ele foi enfático ao destacar duas questões para trabalhar. “A primeira é de ordem muito mais técnica, que é a mudança de delegacias. Sou contra o que foi feito. Atualmente temos três em funcionamento, outras cinco desapareceram. Sou totalmente contra”, garantiu o presidente local da OAB.

Ele rebateu as críticas por não ter esclarecimento de crimes. “A culpa não é dos policiais. Deixam de esclarecer não é porque não querem, mas porque faltam muitos policiais civis. Por baixo, acredito que haja uma defasagem de pelo menos 150 delegados na região. O delegado aposenta, não contratam outro. Estão fechando delegacias das cidades pequenas. Falta de tudo. Não tem como fazer uma investigação com um número reduzido de investigadores. O número de crimes contra o patrimônio continua crescendo. O policial é obrigado a fazer a opção por investigar o mais grave. A OAB está ao lado de vocês. Vamos nos organizar, trazer as forças da sociedade para o movimento. Vamos cobrar a Secretaria da Segurança Pública e o governo do Estado. Não concordo com o fechamento de delegacias. Tem que aumentar o número de delegacias, com mais policiais civis. Hoje temos 10 mil inscritos na OAB em Ribeirão Preto. Destes, 4 mil são militantes ativos. A briga é nossa. Podem contar conosco, com nossa diretoria”, concluiu Luiz Vicente.

Alexandre Silveira, ao usar a palavra, destacou: “O que o Sinpol fez aqui foi algo surreal. Estou admirado. O que a administração fez em termos de sucateamento, vocês mostraram que é possível fazer algo bonito, bem sólido. Mostra que há uma união muito forte. Me coloco à disposição do Sinpol para auxiliar que a Polícia Civil resgate o protagonismo que já teve e merece ter. Não consigo entender a volúpia do Estado em sucatear esta instituição”, destacou o dr. Alexandre.

“Trabalhei por mais de 30 anos. Fui chefe dos investigadores do 2º Distrito, nos Campos Elíseos, e cheguei a ter 18 investigadores. E todos tinham muito serviço naquela época. Depois vim para o 1º DP, chefiava mais de 20 investigadores. Tive que instalar uma lousa para anotar os recados, que sempre chegavam. Em minha vida toda eu vi criar delegacias, não fechar. Sempre tinha um político que sugeria: ‘vamos instalar uma delegacia em tal bairro’, aí dizíamos que não tinha pessoal, mas tirava um de cada distrito e pronto, estava formada a nova delegacia. Acabar com delegacia só estou vendo agora, com esse governo. Agradeço ao dr. Luiz Vicente e ao dr. Alexandre. Na hora certa, vamos procurá-los para juntar forças”, concluiu Eumauri.

Por: Adalberto Luque / Fotos: Raphael Abbate

A partir da esquerda: Célio, Luiz Vicente, Campi, Alexandre e Eumauri

A partir da esquerda: dr. Odacir, dr. Ademar, Darci, Piovanni, Luiz Vicente, Alexandre e Eumauri
Policiais civis prestigiaram o encontro entre a 12ª Subseção da OAB e o Sinpol
Eumauri (à direita), enaltece o apoio da OAB; na mesa, a partir da esquerda: Célio, Luiz Vicente, Campi e Alexandre

Postagens Relaciondas